sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Professores desfilam sob protesto em Paredes de Coura


É CARNAVAL O ANO INTEIRO

Embora se compreenda, foi pena que os colegas de Paredes de Coura tenham cedido às pressões e chantagens da DREN! Mas...

E se outros colegas quiserem amanhã, às 18.30 h, em Aveiro, junto do Governo Civil, dar as boas-vindas a José Sócrates (que aí se desloca em visita), o Carnaval de 2009 será ainda melhor.

E se as coisas não mudarem, quem sabe se, um dia destes, a grande maioria dos professores passa a usar esta indumentária na escola, demonstrando que é Carnaval o ano inteiro...



Carnaval
Professores de Paredes de Coura desfilaram sob protesto

20.02.2009 - 18h30 Andrea Cruz

Os professores do Agrupamento de Escolas de Paredes de Coura desfilaram hoje, ao lado dos alunos que festejavam o Carnaval. Mas vestidos de negro, amordaçados e com as mãos presas por correntes, como forma de protesto contra a Direcção Regional de Educação do Norte (DREN) que, contrariando uma decisão do Conselho Pedagógico, lhes ordenou que acompanhassem as cerca de 400 crianças do pré-escolar e do 1º ciclo do Ensino Básico, pelas ruas da sede do concelho.

“Só antes do 25 de Abril é que as pessoas eram obrigadas, é uma vergonha!”, indignou-se uma docente que disse não se identificar por medo de represálias e que ostentava correntes em volta dos punhos e um saco preto na cabeça. Outro professor, Armando Lopes, sublinhou que a decisão da DREN “é ilegal”, por contrariar uma decisão tomada pelo conselho pedagógico, “um órgão com autonomia”.

Com os professores esteve o coordenador do Sindicato dos Professores do Norte (SPN), Abel Macedo, que prestou declarações aos jornalistas para defender que a imposição da DREN, “um sinal de que hoje não há liberdade no desempenho profissional”, “deve fazer pensar os portugueses”. “Como é que alguém se arroga o direito de silenciar e amordaçar uma classe?”, questionou, acrescentando que a ordem para que se realizasse o cortejo se “tratou de um abuso claro e de excesso de autoridade por parte da directora regional”.

Ontem, a presidente do Conselho Executivo do agrupamento, Cecília Terleira, explicou que os professores decidiram suspender algumas das 164 iniciativas previstas no plano de actividades devido à falta de tempo motivada pelos processos de avaliação do desempenho e de eleição do Conselho Geral Transitório e do director. Mas assegurou que só haviam sido canceladas aquelas que não foram consideradas indispensáveis ao processo de aprendizagem das crianças.

Estava previsto que os alunos festejassem o Carnaval no espaço escolar, mas a decisão desagradou à Associação de Pais e à Câmara Municipal, que reclamaram a realização do habitual cortejo. Foi assim que, depois de um braço de ferro que se prolongou pelos últimos dias, a DREN reiterou a ordem dada a Cecília Terleira para que convocasse os professores para a realização do cortejo.

Os pais, que hoje acompanharam de perto a participação dos filhos no corso carnavalesco, já pediram uma reunião com o Conselho Executivo do Agrupamento de Escolas, prevista para a próxima semana, para tentar garantir a realização de outras actividades canceladas, como as visitas de estudo de alunos até ao 8º ano e as idas à praia com as crianças da pré-primária.


In Público.

Publicada por ILÍDIO TRINDADE

1 comentário:

Isabel Pedrosa Pires disse...

Temos que ser solidários e motivá-los para apresentar queixa por abuso de poder.

http://bilroseberloques.blogspot.com/2009/02/dren-desmente-obrigacao-dos-professores.html